Plataforma de discussão sobre o futuro das cidades

Plataforma de discussão
sobre o futuro das cidades

Parque Sitiê

"Eu tinha vergonha de morar ali. Antes de chegar à minha casa, tinha que passar por esse lixão. Eu não me sentia bem ali, queria ir embora. Conversando com um vizinho, ele me incentivou a começar a limpeza", lembra Mauro Quintanilha, músico, morador do Morro do Vidigal e presidente do Parque Sitiê.

 

Nessa comunidade, localizada entre as praias do Leblon e São Cristóvão, no Rio, por mais de duas décadas, uma área de aproximadamente 8.500 m² virou depósito de lixo, acumulando aproximadamente 16 mil toneladas de eletrodomésticos defeituosos, entulho, restos de comida e até carcaças de animais mortos. Esse cenário começou a mudar quando Mauro Quintanilha e o amigo Paulo César Almeida, também vizinho do lixão, resolveram limpar o local por conta própria.

                                    

O trabalho de limpeza começou a ter o apoio dos demais moradores a partir da criação de uma horta comunitária. Toda vez que alguém despejava lixo do espaço, Mauro e Paulo ofereciam uma verdura da horta, mostrando assim que aquele lugar não era um depósito de lixo. Foram quase seis anos até a conclusão da limpeza e a criação do Parque Sitiê.

 

Como fruto dessa força-tarefa da comunidade, e com o apoio do Arq.Futuro e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Parque Sitiê ganhou um conselho e um estatuto, que organiza atividades de trabalho, permite planejamento de longo prazo e torna o parque apto a receber investimentos para manutenção e regularização.

 

O parque foi reconhecido como a primeira "agrofloresta" do Rio de Janeiro pela Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal, denominação dada a locais onde trechos de mata nativa se alternam com terrenos cultivados. O Sitiê começou a funcionar também como Ágora Digital – um espaço para diálogos públicos e deliberação sobre questões da comunidade – e intensificou suas atividades de design e artes por meio de seu coletivo.

 

Em 2014, o Sitiê foi premiado nos Estados Unidos pelo SEED (Design Socioeconômico e Ambiental, sigla em inglês), organização que promove iniciativas que combinam design e interesse comunitário.