Plataforma de discussão sobre o futuro das cidades

Plataforma de discussão
sobre o futuro das cidades

Pavilhão das Águas

O Pavilhão das Águas (Water Ring Pavillion) é um projeto arquitetônico para uma instalação temporária no Rio de Janeiro. Idealizado pelo arquiteto Carlo Ratti, professor do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e colunista do Arq.Futuro, o pavilhão consiste em uma plataforma suspensa, aberta ao público, cujo espaço será usado para diferentes atividades socioeducativas em 2016, quando a cidade sediará os Jogos Olímpicos. O Arq.Futuro apoia a realização desse projeto e acredita que, além de seu impacto arquitetônico, urbanístico e turístico na paisagem carioca, a importância do pavilhão se confirma pelo legado cultural e educativo que deixará para a cidade. 

 

O desenho do pavilhão se inspira nos cinco anéis olímpicos. Cada anel corresponde a um espaço da plataforma e a uma experiência diferente para o visitante: foyer, auditório multifuncional para a realização de eventos e palestras, restaurante e bar, solário e um laboratório sobre tecnologias de reúso de água. O pavilhão será sede de ações para discutir o manejo sustentável dos recursos hídricos, a importância das águas numa cidade como o Rio e os perigos de esgotamento de um recurso natural tão essencial à vida. Essas atividades seriam organizadas com o propósito de atrair estudantes de escolas públicas e privadas, podendo também se abrir aos visitantes em geral. Cursos rápidos, exposições, oficinas e performances poderão fazer parte dessa programação.  

 

Nessa grande instalação aquática, o tratamento dos recursos hídricos constitui o eixo central. O projeto prevê a instalação de um sistema de drones chamado Water Fly, desenvolvido pelo MIT SENSEable City Lab, que permitirá o monitoramento da qualidade hídrica e a coleta de informações sobre o nível de poluentes químicos e biológicos na água. O uso de novas tecnologias de tratamento instaladas nas laterais do pavilhão permitirá que a estrutura filtre as impurezas da água no seu entorno, devolvendo água limpa para o ecossistema.

 

Telas de projeção serão formadas por uma película de água sobre a qual poderão ser projetados filmes, peças educacionais ou obras de arte visual.  A estrutura do pavilhão será composta por poliestireno expandido reforçado com concreto, com um acabamento de plástico ou madeira. O projeto de engenharia do Pavilhão das Águas está sendo desenvolvendo pela empresa multinacional Arup.

 

O local exato para a instalação do pavilhão ainda está sob a análise dos órgãos públicos e dos patrocinadores privados. Áreas que potencialmente podem receber essa instalação incluem a Lagoa Rodrigo de Freitas, que receberá as provas de remo e canoagem dos Jogos Olímpicos, a frente d’água na região do Porto Maravilha, a maior operação urbana do Rio de Janeiro, ou a baía de Botafogo. O projeto será itinerante, podendo ser transportado para outras cidades brasileiras, após sua temporada no Rio de Janeiro.